Não guardo palavras
Que fazem lembrar
Qualquer coisa entalada na garganta
Irrita, engasga, dá nó

Desejo (Dida e Márcio Marrone) – Negril

Em muitos momentos isso acaba se tornando um problema, e eu, de fato, preciso aprender a ficar calada, mas não tem jeito, pra mim é uma verdade que “qualquer coisa entalada na garganta irrita”. Não sou de fazer tipo e nem de meias palavras, não gosto de disse-que-disse. Isso é bom, porque todo mundo que me conhece sabe que sou sincera (até demais às vezes). Mas é uma merda também, porque tem horas – e garanto que não sou poucas – que eu penso: pra quê? por que não guardei minha língua dentro da boca? não ganhei nada sendo tão sincera…

Sempre vi nisso um dos meus maiores defeitos, nunca percebi essa sinceridade excessiva como qualidade como alguns alegam, pois só eu sei em quantas enrascadas me meti por conta disso. E estou aqui com 31 anos e sem ter aprendido a guardar o que penso só pra mim. Ok, tenho progredido e às vezes me auto-parabenizo por deixar passar umas e outras considerações desnecessárias. Quem sabe até os 40 eu adquira esse dom da semi-sinceridade, né!

Por enquanto sigo assim, extremadamente faladeira e sincera e por conta disso, muitas vezes tomando no cu. Mas vamos que vamos… =)

Anúncios