You are currently browsing the monthly archive for novembro 2011.

Eu quero a sorte de um amor tranquilo
Com sabor de fruta mordida
Nós, na batida, no embalo da rede
Matando a sede na saliva
Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum trocado pra dar garantia

Todo amor que houver nessa vida – Cazuza


Porque eu só tenho de agradecer ao momento em que o Thi entrou na minha vida, porque acima de tudo ele é meu parceiro. Defeitos eu e ele temos (e não são poucos), mas viver juntos é saber enxergar que as qualidades sempre são mais fortes do que qualquer defeito. E ele está sempre disposto a fazer qualquer coisa pra me fazer feliz.

Ele me manda flores no aniversário de casamento, reveza comigo as noites em claro pra cuidar das meninas, dorme no colchão quando eu tô com dor nas costas pra poder me esparramar pela cama, desce pra buscar as compras quando eu chego do mercado etc. etc. etc.

E por mais que as meninas tenham dado muito trabalho nas últimas duas semanas, se revezando no papel da doente do momento, tudo fica mais fácil de aguentar já que tenho o Thi do meu lado. E cada um desses pequenos atos é que vão fazendo um todo de uma vida que é feliz na maior parte do tempo. :)

Se você vier me perguntar por onde andei
No tempo em que você sonhava.
De olhos abertos, lhe direi:
– Amigo, eu me desesperava.
Sei que, assim falando, pensas
Que esse desespero é moda em 73.
Mas ando mesmo descontente.
Desesperadamente eu grito em português

À Palo Seco (Belchior) – Ednardo

Um monte de gente já gravou, até Los Hermanos, mas a versão que eu mais gosto mesmo é a do Ednardo. E o trecho de hoje foi escolhido para mostrar toda a minha insatisfação com uma sociedade acomodada, que não faz nada de concreto para melhorar nada, mas que acha que vai mudar o mundo twittando ou mudando o avatar no Facebook.

Hoje só consegui ver uma bóia de salvação nos tweets da Lelê (ao menos eu vejo que sei escolher bem os meus amigos, porque gente pra seguir por lá, já vi que tenho vocação pra escolher só porcaria…). E a questão não é nem de concordar ou discordar com algo – no caso a pauta do dia foram os estudantes da USP – mas sim de ser coerente com o que fala (ou escreve) e o que faz. E além da falta de coerência, eu me senti no final do século XIX, tamanha a postura reacionária dos tweets. Sei lá, acho que estamos retrocedendo no tempo e só eu não percebi.

E pensar que há menos de 30 anos, centenas de milhares de pessoas iam às ruas pedir por eleições diretas, há 40 anos tinha gente (como o meu pai) sendo barbaramente torturada pra acabar com uma ditadura que só nos permitia dizer amém a tudo aquilo que eles nos empunham. Dói saber que meu pai foi espancado, perdeu todos seus dentes para trazer liberdade pra esse bando de alienados ficarem apoiando PM que espanca estudantes, professores ou qualquer outro tipo de manifestante. Pra esse povo chamar grevista de vagabundo. Pra pedir a volta da ditadura.

O que esse bando de idiota nem para pra pensar é que, se não fosse por todos esses “vagabundos”, eles não estariam vociferando essas barbaridades no Twitter. Chega a me dar desgosto. E pensar que tão perto daqui, os argentinos (apesar de voltarem mal pra diabo) são completamente engajados e envolvidos com todo política. Toda hora estão se unindo, organizando manifestações, piquetes, greves, e bem ou mal, apesar de votarem como paulistas (e isso está bem longe de ser um elogio, ok!), acabam conseguindo conquistar algumas coisas, já que sabem lutar por isso e fazem valer seus direitos ao passo que exercem, de fato, seus deveres de cidadãos.

E aí, enquanto esse povo bota avatar de desenho achando que vai acabar com a violência infantil ou twitta #forasarney, crente que isso é mesmo uma manifestação, eu sigo me desesperando e me sentindo como Quixote combatendo os moinhos…

Recriar cada momento belo já vivido
e ir mais, atravessar fronteiras do amanhecer
e ao entardecer olhar com calma
então…

Alma, vai além de tudo
o que o nosso mundo ousa perceber
Casa cheia de coragem, vida
tira a mancha que há no meu ser
Te quero ver, te quero ser,
Alma

Änïmä (Milton Nascimento e José Renato) – Milton Nascimento

Essa é a minha música favorita na vida, por isso ela já apareceu outras vezes aqui, e como faz um tempo que eu não apareço por aqui, nada mais justo do que ela para reabrir os trabalhos, né!

Tô numa correria tão louca, que eu tenho 12 posts rascunhados aqui que eu não consegui terminar. Mas tô me empenhando em administrar melhor o meu tempo pra conseguir postar mais aqui e no Teia de Renda. Porque, bem ou mal, vir aqui escrever é uma terapia.

E Änïmä, pra mim é uma dessas músicas que me traz lágrimas aos olhos e que como a própria letra sugere, sempre me faz dar um mergulho dentro da minha alma. É dessas que eu gosto e ouvir quando preciso parar, respirar, ficar mais centrada. E é o que eu mais tenho tentado fazer ultimamente. E pela enésima vez, prometo que vou tentar postar mais. :)

Instagram

Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊 Cajuína - Caetano Veloso (mas eu gosto bem mais na voz da Gal Costa) - é uma música linda, lindíssima, curtinha e maravilhosa, que sempre, sempre, sempre me arranca lágrimas. Caetano a compôs em homenagem ao amigo Torquato Neto, que foi junto com ele um dos fundadores do Tropicalismo, e que se suicidou no começo da década de 70.  #MPB #tropicalismo #caetanoveloso #galcosta #torquatoneto Ê, povo, ê - Gilberto Gil #MPB #GilbertoGil - música que tá tocando em looping na minha semana desde domingo. Código de acesso (Itamar Assunção) - Zélia Duncan #MPB #zéliaduncan #itamarassunção Eu nunca te amei idiota (Alvin L.) - Ana Carolina #MPB #rocknacional #anacarolina Sobre o tempo (John) - Pato Fu #patofu #rocknacional #fernandatakai Dê um rolê (Moraes Moreira) - Novos Baianos #NovosBaianos #MPB Caçamba (Éfson e Odibar) - Molejo #samba #pagode #molejo Viva (Kledir Ramil) – Kleiton e Kledir #MPB #kleitonekledir
Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊