É sempre lindo andar na cidade de São Paulo,de São Paulo
O clima engana, a vida é grana em São Paulo
A japonesa loura, a nordestina moura de São Paulo
Gatinhas punks, um jeito yankee de São Paulo, de São Paulo

Ah! Na grande cidade me realizar
Morando num BNH
Na periferia a fábrica escurece o dia

São Paulo, São Paulo (Wandi Doratiotto, Mário Manga, Claus Petersen e Marcelo Galbetti) – Premeditando o Breque (Premê)

A minha atual relação com São Paulo eu já contei o ano passado lá no Teia de Renda, mas eu não podia deixar a data passar em branco. A cidade em que nasci e onde sempre vivi completa hoje 459 anos de sua fundação e essa música do Premê, que é uma versão de New York, New York pra mim é uma bela síntese dessa cidade tão múltipla e dúbia, que só mesmo um paulistano tem a capacidade de perceber.

Essa cidade doida. Que amanhece com sol de rachar, no meio da manhã já está congelante, no fim da tarde desaba um pé d’água e de noite esquenta de novo, pra que a gente não consiga dormir direito. Essa cidade de negros, brancos, japoneses, italianos, nordestinos, sulistas, uma metrópole que é um mini-mundo, capital nacional da gastronomia. Cidade que nos encanta pela alta gama de oportunidades, serviços, entretenimentos, e que nos irrita muito pelo trânsito, pela super-lotação, pela poluição, por ter tudo em extremo exagero. Uma cidade que se fosse gente, certamente seria bipolar.

Por isso aqui está a minha homenagem a essa cidade que é o meu berço, meu lar, meu esteio (e que às vezes e também me deixa de saco cheio – hehehehe). ;)

365/16

Anúncios