Não se perca de mim
Não se esqueça de mim
Não desapareça
A chuva tá caindo
E quando a chuva começa
Eu acabo de perder a cabeça
Não saia do meu lado
Segure o meu pierrot molhado
E vamos embolar
Ladeira abaixo
Acho que a chuva
Ajuda a gente a se ver
Venha, veja, deixa
Beija, seja
O que Deus quiser…

A gente se embala
Se embora, se embola
Só pára na porta da igreja
A gente se olha
Se beija, se molha
De chuva, suor e cerveja

Chuva, suor e cerveja – Caetano Veloso

Caetano já foi genial, hoje é um velho, chato, ranzinza, reclamão e com complexo de menino prodígio, mas já nos brindou com verdadeiras pérolas, e deixou um legado fantástico da enorme fase em que realmente foi um prodígio. Pra mim ela se encerra ainda no começo dos anos 90, com o disco Livros, depois de então ele ficou intragável.

Mas vamos voltar pra assunto bom e pra música do dia, Chuva, suor e cerveja é um primor do primeiro ao último verso, a sonoridade das palavras fazendo chiado de chuva, o ritmo frevado, e que transformou esse num verdadeiro hino de Carnaval. Uma pena que no Blip não havia liberada a versão original, que eu adoro, e acabei linkando uma do Caetano no trio, ao lado do Jammil. Mas o que importa é curtir a música, né… ;)

365/35

Anúncios