You are currently browsing the category archive for the ‘amores’ category.

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza
E do caos…

Capital do sangue quente do Brasil
Capital do sangue quente
Do melhor e do pior do Brasil…

Cidade sangue quente
Maravilha mutante…

O Rio é uma cidade
De cidades misturadas
O Rio é uma cidade
De cidades camufladas
Com governos misturados
Camuflados, paralelos
Sorrateiros
Ocultando comandos…

Rio 40 graus – Fernanda Abreu

Hoje a cidade do meu coração e completa 448 anos dessa maravilha tão linda e perfeita que fica difícil acreditar que é verdade e que tanta beleza possa ter sido botada num só lugar. Parece que os melhores recortes geográficos ficaram todos lá para o nosso deleite: o Corcovado, o Dois Irmão, o Morro da Urca e o Pão de Açúcar, o Gigante Deitado, o Joá, a Pedra da Gávea, a Baía da Guanabara, as praias todas. Ai… É muita lindeza pra ser botada num só post, muito amor no meu peito. Pode até demorar um pouquinho, mas ainda faço daí o meu lar. Parabéns, Rio!!!

365/43

Mas iremos achar o tom
Um acorde com lindo som
E fazer com que fique bom
O utra vez o nosso cantar
E a gente vai ser feliz
Olha nós outra vez no ar
O show tem que continuar

O show tem que continuar (Arlindo Cruz/Sombrinha/Luiz Carlos da Vila) – Fundo de Quintal

Minhas suspeitas confirmadas, minha Portela mais uma vez permanece na fila, mas ao menos ganhou a Vila Isabel que fez um desfile lindíssimo e fechou com chave de ouro o segundo dia. A Portela é super tradicionalista, tem um virtuosismo que apaixona, mas que muitas vezes a prejudica, porque é difícil lutar sem armas num cenário onde os adversários vem armados até os dentes. Desfiles cada vez mais luxuosos, com efeitos e defeitos especiais, acabam ofuscando o que deveria ser exaltado, que é o samba, a beleza de uma comunidade se unindo por um objetivo comum. O Carnaval há muito tempo virou uma máquina de dinheiro, onde o samba em si, e as tradições foram renegados e estão em segundo plano.

A única coisa que me deixa feliz é que ganhou um samba muito bonito, de uma escola que tem história e comunidade envolvida, e não os fru-frus e efeitos do Paulo Barros, que encanta principalmente aqueles que não se importam com o verdadeiro espírito carnavalesco. Parabéns, Vila Isabel! E Portela, vamos em frente, focados nesse samba de Arlindo Cruz, porque o show tem que continuar mesmo, e logo mais a gente acha o tom. ;)

365/39

Minha carne é de Carnaval
O meu coração é igual

Aqueles que têm uma seta
E quatro letras de amor
Por isso onde quer que
Eu ande em qualquer pedaço
Eu faço
Um campo grande
Um campo grande
Um campo grande iê
Um campo grande iê

Eu não marco toca
Eu viro toca
Eu viro moita

Swing de Campo Grande (Paulinho Boca de Cantor, Morais Moreira e Luiz Galvão) – Novos Baianos

O triste mesmo é sabermos que só tem um Carnaval por ano (e que ele passa tão rápido) e que agora temos que esperar até 2014 para poder curtir essa folia (e seja lá qual a maneira que você escolhe para aproveitar a época). Eu como boa brasileira, soteropaulistana são um ser que gosta de Carnaval, mesmo nos casos em que eu passo em casa assistindo aos desfiles pela TV, como foi o caso desse ano. Tenho lembranças fantásticas de Carnavais que curti desde bem pequena, eu que já pulei Carnaval na rua, em clubes, já desfilei em escola de Samba em São Paulo, já fui pra loucura do Carnaval de Salvador, só me falta sair no Bola Preta e desfilar na Portela pra ter um leque bem completinho – e o Rio que me aguarde, porque eu não morro sem completar esse circuito carnavalesco na minha vida. Agora é esperar as apurações, ver como ficam as minhas amadas Portela e Nenê – Nenê é um amor mais recente, mas que traz o mesmo azul e branco que sempre moraram em meu coração. <3

365/38

E lá vou eu cantando com a minha viola
O amor tem seus mistérios
Por onde me deixo levar
Laiá
Nossa história começa por lá
No engenho da fazenda
Dos cantos de “canaviá”

Bate o sino da capela
Ôi… que é dia de santo, sinhá

Tem mironga de jongueiro
O tambor me chamou pra dançar

Tempo rodou na roda do trem e veio
A inspiração do partideiro
Que versou no Mercadão
Foi nesse chão
Que a estrela brilhou no tablado
O “Madura” pisou no gramado
O malandro charmoso dançou
No pagode com outro gingado
Quando o bloco chegou
Agitou o suingue do black
E a nega baiana girou

Cai na folia, sem grilo, meu bem vem na fé
Na ilusão da fantasia
Vai como pode quem quer

Surgiu a serrinha imperial
Em outros caminhos para o mesmo ritual
Portela, meu orgulho suburbano
Traz os poetas soberanos nesse trem para cantar
Que Madureira é muito mais do que um lugar
É a capital de um sonho que me faz sambar

Abre a roda, chegou Madureira
A poeira já vai levantar
O batuque ginga ioiô
Ginga iaiá

Madureira… Onde o meu coração se deixou levar (Wanderley Monteiro, Luiz Carlos Máximo, André do Posto 7 e Toninho Nascimento) – G.R.E.S. Portela

Minha Portela fechou ontem o primeiro dia de desfile do Rio, e foi lindo!!! É gritante o quanto há uma diferença dela pra várias outras escolas grandes que fizeram enredos patrocinados, o quanto as alegorias eram mais simples, mas o que ninguém tira da Portela é o amor e o envolvimento da comunidade ao seu redor, e isso é ímpar. Um enredo lindo, contando a história do bairro onde a escola surgiu, e fazendo uma justa homenagem a Paulinho da Viola, que completa 70 anos. A escola toda cantando, dançando, emocionada. E a gente ainda tem a primeira e única Velha Guarda de verdade, figuras lindas e icônicas emocionando todo portelense: Monarco, Suriquinha, Dodô e tantos outros que fazem parte da história desse amor em azul e branco.

Eu acho que a gente não leva, que ficaremos mais um ano na fila, mas acho que o desfile foi lindo, emocionante e em vários momentos trouxe lágrimas aos meus olhos e por isso abre a roda, chegou Madureira… <3

365/37

Se tu fores na Portela
Tudo encontrarás
Alegria, tudo de bom, amor
Ouvirás as nossas poesias
E um turbilhão de melodias
Desaparecem suas mágoas, linda flor
Ora, vem comigo, amor

Se tu fores na Portela
Aonde a beleza seduz
Tem uma bandeira azul e branca
Que representa Oswaldo Cruz
Tudo na Portela é um esplendor
Desaparecem suas mágoas, linda flor

Se tu fores na Portela (Ventura) – Velha Guarda da Portela

Sempre que quero postar alg sobre a Portela, me vem a vontade clichê de postar Foi um rio que passou em minha vida de tão bem que sinto meu amor descrito naqueles versos de Paulinho da Viola. Hoje à noite (na verdade, tecnicamente amanhã) tem Portela na avenida, tem meu coração mostrando que o amor é azul e branco, tem minha águia impondo respeito na Sapucaí. E que 2013 venha para colocar fim nesse jejum tão longo que a escola vem sofrendo.

Ah, me fala o que é a Velha Guarda dessa minha escola? E o Monarco? É um amor e orgulho tão grande que nem sei explicar.

Amanhã volto para tecer minhas considerações… ;)

365/36

Ah, que bom você chegou
Bem-vindo a Salvador
Coração do Brasil (do Brasil)
Vem, você vai conhecer
A cidade de luz e prazer
Correndo atrás do trio
Vai compreender que a baiano é:
Um povo a mais de mil
Ele tem Deus no seu coração
E o Diabo no quadril
We are Carnaval
We are folia
We are the world of Carnaval
We are Bahia

We are Carnaval (Nizan Guanaes) – Asa de Águia

Porque ontem zapeando pelos canais vi um pouquinho da cobertura do Carnaval de Salvador, mostrando o Psy, fazendo propaganda da Gillette, e não adianta, quando se trata de Salvador, meu coração de soteropaulistana sempre bate mais forte. E me deu muita vontade de estar lá, seja dentro do circuito como em 2011 ou fora, fugindo dos roteiros tradicionais. Eu sou uma pessoa que ama Carnaval, desde os carnavais de clube que pulei na infância e adolescência, os de rua, os de trio, os de desfiles de escola de samba. Eu amo isso tudo, mesmo que acompanhe de longe, pela tela da televisão, como estou fazendo esse ano. Mas sou um ser-folião. E pra mim, falem o que quiserem de axé-music, esse é um super hino de carnaval pra mim, uma composição brilhante de Nizan Guanaes que é quase um grito de guerra do Carnaval de Salvador, que todo mundo canta e leva multidões à loucura num coro único. E eu amo o Durval puxando We are Carnaval, por isso escolhi a versão do Asa. E vamos aproveitar porque baiano, paulista, carioca, gaúcho, mineiro, sergipano, amazonense, goiano, seja lá de onde você for, não adianta, somos brasileiros e clichê ou não, we are Carnaval.

365/34

A romã, a tribo, a procura
O caldo da cultura, o cauim
A quermesse, o curso, a bienal, a escultura
Hosana nas alturas, anjos no céu de Berlim.
Osasco
Osaka
Rosa
Bomba
Maca
Ossos do office-curumim
Dança o povo negro
Dança o povo índio
Sobre as roças mortas de aipim
Dança a nova tribo
Dança o povo inteiro
Dança a moça triste do Benin

Dança – Chico César

Essa pra mim é uma das músicas mais bonitas do Chico César e serve como uma luva pra ilustrar o que estou sentindo nesse momento. Fala sobre a dança e o quanto ela está presente em todos os povos, culturas e como ela serve para representar todas as emoções.

Eu estou aqui feliz, anestesiada por tantas emoções pelas quais vivi hoje e sei que muita gente que estava lá hoje compartilha comigo esse sentimento. Muitas gerações e diferentes turmas e panelas que participei debaixo do mesmo teto, e todos unidos em torno de um único amor: a dança. Foi uma delícia, foi maravilhoso, foi revigorante.

Eu não dançava com as minhas primas Taís e Cíntia desde 92 (21 anos!!!), com a Rosana, Daniela e Paula desde 96, com a Dadi e com a Carol desde 99, com a Suelen desde 2002, com Tayana, Jorge e Priscila desde 2006. Anos, anos, anos e mais anos. E é claro que não tem magia, né! Os músculos obviamente sentiram o tempo que passou nesses sete anos que fiquei parada, mas meu coração e minha alma não. Eles nunca souberam que eu parei de dançar, para eles eu sempre fui bailarina. E posso dizer que estou feliz como há muito tempo não me sentia. Muito obrigada a cada uma das meninas que esteve lá e pode compartilhar comigo esse momento e comprou a ideia desse retorno, obrigada ao Xoxó e principalmente à Ana que nos proporcionou essa aula espetacular e nos fez sentir saudades das horas intermináveis de ensaio. Hoje tive certeza de algo que eu já desconfiava: o amor à dança é mesmo imortal!!!

365/26

Flores que ofertamos
e que nunca morrerão
em vasos e jarros se bronzeiam
Os anjos de onde vem
sua vida
bem-vinda
a trilha
Os livros não são sinceros
Quem tem Deus como império
No mundo não está sozinho
Ouvindo sininhos

Magamalabares (Carlinhos Brown) – Marisa Monte

Dia corrido, mas dia feliz em que as coisas parecem estar correndo bem e se encaminhando. E lá vai o ano, correndo na velocidade da luz e deixando seu primeiro mês para trás. E vamos ofertando flores que tomarão sol em outros vasos para perpetuar suas vidas e partilhando a vida, para que ela seja mais leve, feliz, divertida e gostosa de ser vivida. <3

365/22

De magia, de dança e pés
De criança, cantor e mãos.
Alameda de gente vida
Fecha e mata qualquer ferida.

De carinho, de roda e mãos.
De esperança, de corpo e pés.
A paixão que me está surgindo.
Te tocando, me consumindo.

A pulsação do mundo é
O coração da gente
O coração do mundo é
A pulsação da gente
Ninguém nos pode impor, meu irmão
O que é melhor pra gente

De magia, de dança e pés – Milton Nascimento

Eu não tenho como mensurar e nem mesmo explicar com palavras a importância da dança na minha vida. Talvez eu possa fazer isso (e apenas um pouco) com movimentos. Nesses sete anos que eu estou parada, sem dançar, é como se tivesse faltando um pedaço de mim, como se eu não fosse meu verdadeiro eu, uma Tayra completa. Me doía cada vez que eu falava que tinha sido bailarina, porque no meu caso, o ser bailarina e dançar é algo mais completo e que faz parte da minha alma. Sou aquelas que ouve uma música e coloca pra tocar no repeat até conseguir coreografar a mesma, arredondando os detalhes, como se tivesse vendo aquela dança nascer.

Essa música mexe muito comigo (como qualquer uma do Milton Nascimento), e eu acho que transparece um pouco do que a dança representa pra mim de algo que mexe com o meu ser, com minha vontade de viver, de transmitir algo através do corpo. Quem dança vê naquilo uma esperança, uma ferramenta que pode mudar o mundo, pode mudar vidas. É algo totalmente renovador e que, como eu já disse antes, nem consigo expressar com palavras.

Por isso, já em 2012, eu tinha decidido que voltaria a dançar em 2013, e já no começo do ano coloquei em prática esse sonho e comecei a conversar com algumas pessoas sobre isso e fui vendo a minha vontade individual começar a se tornar uma vontade coletiva. E hoje dei mais um passo em direção ao meu objetivo, e na semana que vem já faço a minha primeira aula, depois de todo esse tempo parada. Vai ser uma readaptação, uma remodelação do meu corpo e do meu condicionamento. Já tô contando com a Jillian nesse processo de readaptação do meu corpo – porque obviamente o perder peso está entrando nessas metas todas. Por isso, vamos que vamos, que comece uma nova era, porque como já cantava Bonnie Tyler, “Forever’s gonna start tonight”.

365/17

Vamos acordar
Hoje tem um sol diferente no céu
Gargalhando no seu carrossel
Gritando: ‘nada é tão triste assim’

É tudo novo de novo
Vamos nos jogar onde já caímos
Tudo novo de novo
Vamos mergulhar do alto onde subimos

Vamos celebrar
Nossa própria maneira de ser
Essa luz que acabou de nascer
Quando aquela de trás apagou

E vamos terminar
Inventando uma nova canção
Nem que seja uma outra versão
Pra tentar entender que acabou
Mas é tudo novo de novo…

Tudo novo de novo – Paulinho Moska

Essa música do Paulinho Moska é muito apaixonante, e aí que eu ganhei o box da série Tudo Novo de Novo (a melhor que a Globo já produziu e que tinha um formato bem parecido com as séries americanas, mas que, infelizmente, não saiu da primeira temporada), e essa, obviamente, é a música de abertura.

E ela é tão amorzinho que acabou grudando na cabeça e eu fiquei pensando na letra o tempo todo, e em quanto é bom que encaremos a vida dessa maneira de que tudo pode ser novo, de novo e sempre. Não adianta a gente ficar se lamuriando, sofrendo e remoendo por aquilo que já foi, que já passou, que não deu certo, porque quando é hora de ir em frente, não há nenhuma outra maneira de fazermos isso, a não ser seguindo adiante. Então, que encaremos isso do melhor jeito possível. A gente pode, como sugeriu Paulinho Moska, fazer uma nova canção, ou mesmo escrever nossa própria versão de uma outra, e assim repaginar o que não tá nos fazendo bem.

Hoje começa a segunda semana do ano, a primeira em que a vida volta ao normal e entra nos eixos e na rotina de sempre, então nada melhor que encararmos 2013 como sendo tudo novo de novo. ;)

365/07

Instagram

Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊 Cajuína - Caetano Veloso (mas eu gosto bem mais na voz da Gal Costa) - é uma música linda, lindíssima, curtinha e maravilhosa, que sempre, sempre, sempre me arranca lágrimas. Caetano a compôs em homenagem ao amigo Torquato Neto, que foi junto com ele um dos fundadores do Tropicalismo, e que se suicidou no começo da década de 70.  #MPB #tropicalismo #caetanoveloso #galcosta #torquatoneto Ê, povo, ê - Gilberto Gil #MPB #GilbertoGil - música que tá tocando em looping na minha semana desde domingo. Código de acesso (Itamar Assunção) - Zélia Duncan #MPB #zéliaduncan #itamarassunção Eu nunca te amei idiota (Alvin L.) - Ana Carolina #MPB #rocknacional #anacarolina Sobre o tempo (John) - Pato Fu #patofu #rocknacional #fernandatakai Dê um rolê (Moraes Moreira) - Novos Baianos #NovosBaianos #MPB Caçamba (Éfson e Odibar) - Molejo #samba #pagode #molejo Viva (Kledir Ramil) – Kleiton e Kledir #MPB #kleitonekledir
Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊