You are currently browsing the category archive for the ‘Grudou na cabeça’ category.

Se for mais veloz que a luz
Então escapo da tristeza
Deixo toda a dor pra trás
Perdida num planeta abandonado
No espaço e volto sem olhar pra trás…

Busca Vida (Hebert Vianna) – Os Paralamas do Sucesso

Aquele post típico de fim de dia corrido, e hoje eu tava ouvindo Nove Luas no looping no carro, como foi dirigindo até o ABC, deu tempo de ouvir o CD umas três vezes – é, eu ainda ouço CD, sou total old school (hehehe) e geralmente não troco o disco durante o trajeto, por isso que ouvi, reouvi e reouvi de novo. =D

Desde quando esse disco foi lançado, em 1996, que essa é a minha faixa predileta. Sempre me emocionou muito, e até hoje quando começa aquele “uuuuuhhhhh, papapapapa” eu fico arrepiada. Por isso, hoje ela foi a escolhida pra estar aqui, porque ela grudou na cabeça – na verdade está grudada há 18 anos ;) – e não consegui mais parar de cantar.

Anúncios

Quero a utopia, quero tudo e mais
quero a felicidade dos olhos de um pai
quero a alegria, muita gente feliz
quero que a justiça reine em meu país

Quero a liberdade, quero o vinho e o pão
quero ser amizade, quero amor, prazer
quero nossa cidade sempre ensolarada
os meninos e o povo no poder, eu quero ver

São José da Costa Rica, coração civil
me inspire no meu sonho de amor Brasil
se o poeta é o que sonha o que vai ser real
bom sonhar coisas boas que o homem faz
e esperar pelos frutos no quintal

Sem polícia, nem a milícia, nem feitiço, cadê poder?
Viva a preguiça, viva a malícia que só a gente é que sabe ter
Assim dizendo a minha utopia
Eu vou levando a vida, eu vou viver bem melhor
Doido pra ver o meu sonho teimoso um dia se realizar

Coração Civil – Milton Nascimento

Essa música é meu TOP3 de Milton – e olha que é difícil, viu… Porque pra mim é uma árdua tarefa fazer um TOP30 dele, imagina um TOP3!!! Sou completamente apaixonada por ela. O coro de crianças, logo no comecinho já faz as lágrimas começarem a encher meus olhos. Montei com ela uma coreografia que eu amava para um espetáculo que dirigi de 20 anos de Anistia, em 1999. Ano passado, tive a felicidade de ver uma linda versão da música interpretada pelo pessoal do Coral da UFC, com minha amada Xellyta no meio, pra me emocionar ainda mais.

E com tudo que vem rolando na Copa, as inúmeras demonstrações de solidariedade, afeto, respeito, eu acredito que ela caia como uma luva para o momento, porque eu quero que ver muito mais “alegria, muita gente feliz”, e seguramente “quero que a justiça reine em meu país”. E quero que isso se irradie, vire realidade constante e regra, que um sonho de liberdade, justiça e igualdade se reflitam nas urnas e que a gente possa junto construir um país melhor. Milton sempre me inspira, me faz refletir, me faz acreditar no melhor das pessoas e me faz sonhar sempre com a “cidade sempre ensolarada, os meninos e o povo no poder”. E eu sei que estamos caminhando cada vez mais nesse sentido, ainda que seja trabalho de formiguinha. <3

Brasil está vazio na tarde de domingo, né?
Olha o sambão, aqui é o país do futebol

No fundo desse país
Ao longo das avenidas
Nos campos de terra e grama
Brasil só é futebol
Nesses noventa minutos
De emoção e alegria
Esqueço a casa e o trabalho
A vida fica lá fora
Dinheiro fica lá fora
A cama fica lá fora
Família fica lá fora
A vida fica lá fora
E tudo fica lá fora

Aqui é o país do futebol (Milton Nascimento e Fernando Brant) – Milton Nascimento

Não é tarde de domingo, mas é como se fosse. E olha, sinto dizer que “vai estar tendo Copa” e agora não tem mais jeito. E sinto mais ainda dizer que esses protestos de vocês estão pelo menos uns 7 anos atrasados. Me lembro bem da festa que todo mundo fez quando o Brasil foi escolhido como sede da Copa de 2014, e que só eu e o Raoni que torcemos o nariz. De repente, com um atraso pra botar qualquer retardado mental no chinelo, o povo resolveu “acordar” e protestar contra o Padrão Fifa, a roubalheira e tudo mais. Depois de tudo pronto, e da Copa das Confederações o povo resolveu se perfazer de politizado, de indignado e sair bradando por aí que #nãovaitercopa – pffff…

O pior de tudo é virem com a faca nos dentes, achando que são os paladinos da justiça, e que qualquer um que goste de futebol (e bote nesse balaio quem faz álbum de figurinhas, quem comprou ingressos, quem vai ver em casa, quem usa bandeira, quem usa camisa) um pobre alienado. Que preguiça!!!!

Mas confesso também que tenho preguiça – e muita – dos que acham que tá tudo bem, tudo lindo e de que é Copa, uhuuullll, não tem nada de errado. Mas, vaale lembrar, a Copa tá ai, é a chance de hotéis, companhias aéreas, bares, museus, comércio em geral faturar um pouquinho da fortuna investida no evento. Depois é só não ser massa de manobra, pensar no que tá fazendo e votar conscientemente em outubro (principalmente pra deputado, voto esse que a imensa maioria se esquece ou não tá nem aí – porque na prática, o legislativo governa muito mais do que o executivo).

Agora é hora de abrir os braços e receber a gringaiada que já chegou e que tá chegando por aí, preparar o gogó e gritar muito gol. E vamos que vamos!!!! \o/

PS: Nem vou mencionar o quanto me irrita, eu, apaixonada por futebol que sou, os torcedores de Copa do Mundo – esses mesmos que não entendem lhufas, querem palpitar em tudo e ainda serem a sumidade no assunto, querendo criticar a escalação, o desempenho no jogo, a substituição e mal sabe o que é um impedimento. Preguiz eterna. =P – mas isso é assunto pra outro desabafinho e sei que é só ranzinzice – hahahaha

Meu coração tá batendo
Como quem diz não tem jeito
Zabumba, bumba esquisito
Batendo dentro do peito

Teu coração tá batendo
Como quem diz não tem jeito
O coração dos aflitos
Batendo dentro do peito

Coração bobo, coração bola
Coração balão, coração São João
A gente se ilude dizendo
Já não há mais coração

Coração bobo – Alceu Valença

Posso dizer que boa parte do meu amor e da minha relação tão íntima com a música é “culpa” do meu pai. Meu pai sempre gostou de música da melhor qualidade (tudo tem sua exceção e ele gosta de Tom Zé – argh!) e me fez conviver com esse excelente gosto musical desde pequena. Tanto que na adolescência, eu era das poucas adolescentes que amavam MPB.

E meu pai sempre conta que essa música do Alceu Valença foi a primeira que eu cantei na vida, por isso ela sempre vai ter um lugar especial na minha história, e na dele também. Por isso, hoje, “primeiro dia do ano” eu venho partilhar com vocês essa batida tão gostosa com que Alceu nos brindou. ;)

365/40

É sempre lindo andar na cidade de São Paulo,de São Paulo
O clima engana, a vida é grana em São Paulo
A japonesa loura, a nordestina moura de São Paulo
Gatinhas punks, um jeito yankee de São Paulo, de São Paulo

Ah! Na grande cidade me realizar
Morando num BNH
Na periferia a fábrica escurece o dia

São Paulo, São Paulo (Wandi Doratiotto, Mário Manga, Claus Petersen e Marcelo Galbetti) – Premeditando o Breque (Premê)

A minha atual relação com São Paulo eu já contei o ano passado lá no Teia de Renda, mas eu não podia deixar a data passar em branco. A cidade em que nasci e onde sempre vivi completa hoje 459 anos de sua fundação e essa música do Premê, que é uma versão de New York, New York pra mim é uma bela síntese dessa cidade tão múltipla e dúbia, que só mesmo um paulistano tem a capacidade de perceber.

Essa cidade doida. Que amanhece com sol de rachar, no meio da manhã já está congelante, no fim da tarde desaba um pé d’água e de noite esquenta de novo, pra que a gente não consiga dormir direito. Essa cidade de negros, brancos, japoneses, italianos, nordestinos, sulistas, uma metrópole que é um mini-mundo, capital nacional da gastronomia. Cidade que nos encanta pela alta gama de oportunidades, serviços, entretenimentos, e que nos irrita muito pelo trânsito, pela super-lotação, pela poluição, por ter tudo em extremo exagero. Uma cidade que se fosse gente, certamente seria bipolar.

Por isso aqui está a minha homenagem a essa cidade que é o meu berço, meu lar, meu esteio (e que às vezes e também me deixa de saco cheio – hehehehe). ;)

365/16

Quando eu soltar a minha voz
Por favor entenda
Que palavra por palavra
Eis aqui uma pessoa se entregando

Coração na boca
Peito aberto
Vou sangrando
São as lutas dessa nossa vida
Que eu estou cantando

Sangrando – Gonzaguinha

A correria do fim de 2012 me impediram de fazer esse post antes (mais um que ficou um bom tempo por aqui como rascunho antes que eu conseguisse conclui-lo), porque desde o dia em que eu saí do cinema quando fui assistir a Gonzaga – De pai pra filho não consegui parar de pensar nas músicas do Gonzaga pai e do Gonzaga filho. Sempre amei os dois, mas a figura do filho sempre me encantou mais, uma vez que há uma empatia maior pela figura como um todo, pelo engajamento e pelo posicionamento político. Enfim…

E essa semana, com o início prático do Estradeiras, também acabei ficando uma semana sem aparecer por aqui, e nem consegui reverenciar os dois Gonzagas logo que começou a exibição do filme, que foi picotado e transformado em micro-série pela Globo, mas hoje, que é o último capítulo, eu não podia deixar de vir aqui prestar minha homenagem a eles.

E acabei escolhendo essa aqui, que é um hino a quem bota pra fora o que tava preso na garganta, onde a pessoa se expõe totalmente, dá seu grito de libertação, de fúria, de dor. Acho impossível ouvir e não ficar tocada. Por isso, deixe Gonzaguinha te emocionar (e se tiver acompanhando a micro-série, não perca o último capítulo).

365/11

Eu canto samba
Por que só assim eu me sinto contente
Eu vou ao samba
Porque longe dele eu não posso viver
Com ele eu tenho de fato uma velha intimidade
Se fico sozinho ele vem me socorrer
Há muito tempo eu escuto esse papo furado
Dizendo que o samba acabou
Só se foi quando o dia clareou

Eu canto samba – Paulinho da Viola

Post expresso, só pra não quebrar o lance de uma música por dia. Muita coisa boa aconteceu hoje e eu precisaria de mais tempo para partilhar, mas prometo fazer isso amanhã. A escolha de hoje é simples: é samba, é Paulinho da Viola e tem um astral excelente. Precisa de mais? Paulinho da Viola, príncipe do samba, compositor e sambista da melhor categoria e quem tem em mim uma enorme fã. Por hoje curtam a letra e a melodia, que amanhã eu volto mais tranquila. ;)

365/09

Vamos acordar
Hoje tem um sol diferente no céu
Gargalhando no seu carrossel
Gritando: ‘nada é tão triste assim’

É tudo novo de novo
Vamos nos jogar onde já caímos
Tudo novo de novo
Vamos mergulhar do alto onde subimos

Vamos celebrar
Nossa própria maneira de ser
Essa luz que acabou de nascer
Quando aquela de trás apagou

E vamos terminar
Inventando uma nova canção
Nem que seja uma outra versão
Pra tentar entender que acabou
Mas é tudo novo de novo…

Tudo novo de novo – Paulinho Moska

Essa música do Paulinho Moska é muito apaixonante, e aí que eu ganhei o box da série Tudo Novo de Novo (a melhor que a Globo já produziu e que tinha um formato bem parecido com as séries americanas, mas que, infelizmente, não saiu da primeira temporada), e essa, obviamente, é a música de abertura.

E ela é tão amorzinho que acabou grudando na cabeça e eu fiquei pensando na letra o tempo todo, e em quanto é bom que encaremos a vida dessa maneira de que tudo pode ser novo, de novo e sempre. Não adianta a gente ficar se lamuriando, sofrendo e remoendo por aquilo que já foi, que já passou, que não deu certo, porque quando é hora de ir em frente, não há nenhuma outra maneira de fazermos isso, a não ser seguindo adiante. Então, que encaremos isso do melhor jeito possível. A gente pode, como sugeriu Paulinho Moska, fazer uma nova canção, ou mesmo escrever nossa própria versão de uma outra, e assim repaginar o que não tá nos fazendo bem.

Hoje começa a segunda semana do ano, a primeira em que a vida volta ao normal e entra nos eixos e na rotina de sempre, então nada melhor que encararmos 2013 como sendo tudo novo de novo. ;)

365/07

Nesse chá de panela que eu senti a vocação:
vi que música é tudo que avoa e rasga o chão.
Foi Hermeto Paschoal que magistral me deu o dom
De entender que do lixo ao avião em tudo há tom
E que até pinico dá bom som
Se a criação é mais
Se o músico for bom

Chá de panela (Guinga e Aldir Blanc) – Leila Pinheiro

Hoje eu tirei o dia pra botar meu escritório abaixo e rearruma-lo, e eu só sei fazer arrumação na base de música, boto um monte de CD pra rodar e me dar pique pra seguir na árdua tarefa da arrumação. E nessas horas nada melhor que Leila Pinheiro e seu Catavento e Girassol, que é daqueles discos que dá pra tocar eternamente no repeat que a gente não enjoa. Uma compilação de música boa do começo ao fim e que faz qualquer arrumação de escritório virar uma coisa gostosa. Essa música que escolhi pra hoje é uma das mais animadas e dançantes do disco e uma das que eu mais gosto, por isso acabei ficando com ela pra ser a música do dia. E o trecho selecionado é soberbo, mostrando que pra se fazer música, basta ter talento e criatividade: Hermeto Paschoal, Guinga e Aldir Blanc que o digam. ;)

PS: lembrando aos que são novos por aqui, que todo título de música, abaixo do trecho selecionado, traz o link para que ouçam a música escolhida no meu Blip.

365/05

É como um sol de verão
Queimando no peito
Nasce um novo desejo
Em meu coração
É uma nova canção
Rolando no vento
Sinto a magia do amor
Na palma da mão
É verão!
Bom sinal!
Já é tempo
De abrir o coração
E sonhar…

Canção de verão (Thomas Roth, Luiz Guedes) – Roupa Nova

Bom, eu sou das pessoas que ama o sol sobre todas as coisas, sou completamente movida a energia solar e não sei brincar de tempo frio e nublado, portanto, é meio óbvio que eu adoro o verão (isso não quer dizer que eu gosto de ficar em São Paulo debaixo de um calor de 30 e tantos graus, ok!). E eu já tô com essa música na cabeça há uns quatro dias, fico dançando e cantarolando pela casa.

E me desculpe os chatonildos e metidos a cult, mas eu ADORO Roupa Nova. Gosto de tudo, acho que eles são uns “fazedores de hits” e são sempre músicas gostosinhas de ouvir, cantar e dançar. Portanto, podem se preparar que a chance de surgir muito Roupa Nova por aqui é enorme.

Por isso vamos aproveitar que é verão, vamos abrir o coração, sonhar, curtir a vida e aproveitar a boa energia que o sol nos traz. ;)

365/02

Instagram

Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊 Cajuína - Caetano Veloso (mas eu gosto bem mais na voz da Gal Costa) - é uma música linda, lindíssima, curtinha e maravilhosa, que sempre, sempre, sempre me arranca lágrimas. Caetano a compôs em homenagem ao amigo Torquato Neto, que foi junto com ele um dos fundadores do Tropicalismo, e que se suicidou no começo da década de 70.  #MPB #tropicalismo #caetanoveloso #galcosta #torquatoneto Ê, povo, ê - Gilberto Gil #MPB #GilbertoGil - música que tá tocando em looping na minha semana desde domingo. Código de acesso (Itamar Assunção) - Zélia Duncan #MPB #zéliaduncan #itamarassunção Eu nunca te amei idiota (Alvin L.) - Ana Carolina #MPB #rocknacional #anacarolina Sobre o tempo (John) - Pato Fu #patofu #rocknacional #fernandatakai Dê um rolê (Moraes Moreira) - Novos Baianos #NovosBaianos #MPB Caçamba (Éfson e Odibar) - Molejo #samba #pagode #molejo Viva (Kledir Ramil) – Kleiton e Kledir #MPB #kleitonekledir
Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊