You are currently browsing the tag archive for the ‘Caetano Veloso’ tag.

Não se perca de mim
Não se esqueça de mim
Não desapareça
A chuva tá caindo
E quando a chuva começa
Eu acabo de perder a cabeça
Não saia do meu lado
Segure o meu pierrot molhado
E vamos embolar
Ladeira abaixo
Acho que a chuva
Ajuda a gente a se ver
Venha, veja, deixa
Beija, seja
O que Deus quiser…

A gente se embala
Se embora, se embola
Só pára na porta da igreja
A gente se olha
Se beija, se molha
De chuva, suor e cerveja

Chuva, suor e cerveja – Caetano Veloso

Caetano já foi genial, hoje é um velho, chato, ranzinza, reclamão e com complexo de menino prodígio, mas já nos brindou com verdadeiras pérolas, e deixou um legado fantástico da enorme fase em que realmente foi um prodígio. Pra mim ela se encerra ainda no começo dos anos 90, com o disco Livros, depois de então ele ficou intragável.

Mas vamos voltar pra assunto bom e pra música do dia, Chuva, suor e cerveja é um primor do primeiro ao último verso, a sonoridade das palavras fazendo chiado de chuva, o ritmo frevado, e que transformou esse num verdadeiro hino de Carnaval. Uma pena que no Blip não havia liberada a versão original, que eu adoro, e acabei linkando uma do Caetano no trio, ao lado do Jammil. Mas o que importa é curtir a música, né… ;)

365/35

Anúncios

A Bahia,
Estação primeira do Brasil
Ao ver a Mangueira nela inteira se viu,
Exibiu-se sua face verdadeira
Que alegria
Não ter sido em vão que ela expediu
As Ciatas pra trazerem o samba pra o Rio
(Pois o mito surgiu dessa maneira)
E agora estamos aqui
Do outro lado do espelho
Com o coração na mão
Pensando em Jamelão no Rio Vermelho
Todo ano, todo ano
Na festa de Iemanjá
Presente no dois de fevereiro
Nós aqui e ele lá
Isso é a confirmação de que a Mangueira
É onde o Rio é mais baiano

Onde o Rio é mais baiano – Caetano Veloso

Hoje, dois de fevereiro, dia de Iemanjá, a Bahia deve estar linda, em festa e eu amaria estar lá pra ver aquele povo lindo em festa. Escolhi essa música maravilhosa do Caetano, do tempo em que ele ainda era um cara genial em que ele exalta o vínculo entre essas duas cidades que ele (e eu também) tanto ama e faz uma ponte entre Salvador e o Rio.

E que Iemanjá (e todos os orixás, santos, anjos e arcanjos) esteja olhando por nós e nos abençoe nesse dia de hoje e que espalhe essa bênção pelo resto do ano. E muito axé para todos nós…

365/25

(Milton Nascimento)
Nós não vamos nos dispersar
Juntos é tão bm saber
Que passado o tormento
Será nosso esse chão
(Djavan)
Água, dona da vida
Ouve essa prece tão comovida
(Rita Lee)
Chega
Brinca na fonte
Desce do monte
Vem como amiga
(Coro)
Te quero água de beber, um copo d’água
Marola mansa da maré
Mulher amada
Te quero orvalho toda manhã
(Gal Costa)
Terra, olha essa terra
Raça valente, gente sofrida
(Gonzaguinha)
Chama,
(Elba Ramalho)
Tem que ter feira,
(Gonzaguinha)
Tem que ter festa,
(Gonzaguinha e Elba Ramalho)
Vamos pra vida
(Chico Buarque)
Te quero terra pra plantar,
(Chico Buarque e Fafá de Belém)
Te quero verde
(Caetano Veloso)
Te quero casa pra morar,
(Caetano Veloso e Simone)
Te quero rede
(Paula Toller e Roger)
Depois da chuva o sol da manhã
(Maria Bethânia)
Chega de mágoa,
Chega de tanto penar
(Coro)
Canto, o nosso canto,
Joga no vento
Uma semente, gente
Olha essa gente
(Elisete Cardoso)
Te quero água de beber
Um copo d’água
Marola mansa da maré
Mulher amada
(Gilberto Gil)
Te quero terra pra plantar
Te quero verde
Te quero casa pra morar
Te quero rede
(Elisete Cardoso)
Depois da chuva o sol da manhã
(Coro)
Canto e o nosso canto
Joga no tempo uma semente
(Coro)
Gente
(Roberto Carlos)
Quero te ver crescer bonita
(Coro)
Olha essa gente
(Erasmo Carlos)
Quero te ver crescer feliz
(Coro)
Olha essa gente
(Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
Olha essa terra, olha essa gente
(Coro)
Olha essa gente
(ROBERTO CARLOS)
Gente pra ser feliz, feliz
(Coro com Tim Maia)
Te quero água de beber
Um copo d’água
Marola mansa da maré
Mulher amada
Te quero terra pra plantar
Te quero verde
Te quero casa pra morar
Te quero rede
Depois da chuva o sol da manhã
(Fagner)
Chega de mágoa
Chega de tanto penar

Chega de Mágoa (letra: Gilberto Gil/ música: Criação Coletiva) – Nordeste Já

Eu era bem pequena quando essa música foi lançada, pra ser mais precisa, eu tinha seis anos, mas me lembro do meu pai chegando em casa com aquele disquinho e fazendo a música tocar exaustivamente. Rapidamente eu já sabia o refrão e boa parte da letra. O clipe repleto de famosos foi exibido no Fantástico e anos mais tarde, quando eu tinha uns 14 anos e já era uma aficionada por MPB, fiz meu pai resgatar seu single Nordeste Já e gravá-lo pra mim numa fita.

Pois é, gente, eu tenho 32 anos (faço 33 na próxima segunda-feira), sou muito anterior ao tempo do MP3, sou antecessora do disc-man. Eu tive walk-man, galera. Fitas e mais fitas gravadas com as músicas favoritas, e nessas horas a imensa discoteca do meu pai me foi muito útil. :)

Aí o Valtinho postou uma frase de Chega de Mágoa no Twitter dele essa semana e me deu uma saudade tão grande da música, que eu fico inconformada de isso não ter sido lançado em CD. E aí eu resolvi tirar a poeira e vi que na redação tem nada mais, nada menos que 12 posts rascunhados que eu começo e não tenho tempo de concluir. Ai, ai…

Mas Chega de Mágoa mereceu esse esforço. A música foi lançada em 1985, que foi o ano da solidariedade no mundo todo. E nos Estados Unidos cantores e músicos americanos e ingleses se uniram nos projetos USA for Africa e Live AID em benefício das vítimas na fome na Etiópia. O primeiro projeto reuniu 45 grandes nomes da música pop no hit We are the world, que acabou arrecadando mais de 55 milhões de dólares.

E aqui no Brasil os artistas se mobilizaram também, só que não para ajudar a África, uma vez que eles tinham toda uma população carente e abandonada pelo governo aqui mesmo. E cansados de esperar que os governos federal e estaduais tomassem medidas para ajudar o Nordeste, os cantores, músicos e compositores se reuniram num projeto semelhante ao USA for Africa para a arrecadação de verbas em benefício da população carente do Nordeste. O projeto recebeu o nome de Nordeste Já, e foi uma realização do Sindicato dos Músicos Profissionais do Município do Rio de Janeiro, rendeu a gravação de um compacto simples com a participação de muita gente boa e consagrada que estava
disposta a dar a sua colaboração por uma causa tão nobre. Por ordem alfabética são eles: Aizik, Alceu, Alceu Valença, Alcione, Alves, Amelinha, Antônio Carlos, Aquiles (MPB-4), Baby Consuelo, Bebeto, Belchior, Beth Carvalho, Bussler, Caetano Veloso, Camarão, Carlinhos Vergueiro, Carlão, Celso Fonseca, Charlot, Chico Buarque, Cláudio Nucci, Cristina, Cristovam Bastos, Dadi, Daltro de Almeida, Dinorah (As Gatas), Dorinha Tapajós, Dori Caymmi, Ednardo, Edu, Edu Lobo, Eduardo Dusek, Elba Ramalho, Elifas Andreato, Elisete Cardoso, Elza Soares, Emilinha Borba, Eunydice, Erasmo Carlos, Fafá de Belém, Faini, Fátima Guedes, Fernando Brant, Gal Costa, George Israel, Geraldo Azevedo, Gereba, Gilberto Gil, Golden Boys, Gonzaguinha, Guilherme Arantes, Ivan Lins, Jamil, Jacques Morelembaum, Joana, João Mário Linhares, João do Vale, José Luiz, Joyce, Kleiton e Kledir, Kid Vinil, Lana, Leoni, Leo Jaime, Lúcio Alves, Luiz Avellar, Luiz Carlos, Luiz Carlos da Vila, Luiz Duarte, Luiz Gonzaga, Luiz Melodia, Lulu Santos, Magro (MPB-4), Malard, Manassés, Maria Bethânia, Marina, Marlene, Martinho da Vila, Marçal, Maurício Tapajós, Mauro Duarte, Mazola, Miguel Denilson, Mirabô, Miltinho (MPB-4), Milton Banana, Milton Nascimento, Milton Araújo, Miúcha, Moraes Moreira, Olívia Byington, Olívia Hime, O Quarteto, Paulinho da Viola, Patativa do Assaré, Paula Toller, Pareschi, Penteado, Perrotta, Perrottão, Pepeu Gomes, Raimundo Fagner, Rafael Rabello, Reinaldo Arias, Ricardo Magno, Rita Lee, Roberto de Carvalho, Roberto Carlos, Roberto Ribeiro, Roberto Teixeira, Rosane Guedes, Roger (Ultraje a Rigor), Rosemary, Rubão, Rui (MPB-4), Sandra de Sá, Sérgio Ricardo, Simone, Sílvio Cézar, Sueli Costa, Stephani, Tânia Alves, Tavito, Teo Lima, Telma, Telma Costa, Terezinha de Jesus, Tim Maia, Tom Jobim, Tunai, Verônica Sabino, Vilma Nascimento, Virgílio, Yura, Wagner Tiso, Walter, Zenilda, Zé da Flauta, Zé Ramalho, Zé Renato, Zizi Possi.

A música é linda, tocante, com vozes maravilhosas, e apesar de eu não gostar de Roberto Carlos (ainda que o Valtinho tente me catequizar), mesmo ele cai como uma luva. É soberbo, é tocante, tanto que eu não consegui selecionar um trecho e coloquei a música toda, com o nome do intérprete antes do trecho que ele cantava. O link que eu coloquei tem o clip oficial, que dá vontade de ficar assistindo em looping eterno, de tão lindo que é ver tantos gênios da nossa música reunidos dando um show (de música, arte e solidariedade). Precisamos mais de reuniões como essas, em todos os sentidos, nossos ouvidos merecem, o Nordeste merece. Obrigada Valtinho por trazer Chega de Mágoa de volta a minha lembrança. <3

Eles se amam de qualquer maneira, a vera
Eles se amam é e pra vida inteira, a vera
Qualquer maneira de amor vale o canto
Qualquer maneira me vale cantar
Qualquer maneira de amor vale aquela
Qualquer maneira de amor valerá

Paula e Bebeto (Milton Nascimento e Caetano Veloso) – Milton Nascimento

Hoje é aniversário do Thi, e nem vou ficar me repetindo, pois já disse muito aqui. Mas, nunca é demais dizer parabéns e feliz aniversário praqueles que amamos, né! Então aqui vai, só pra não perder o costume… <3

Eu sou a chuva que lança a areia do Saara
Sobre os automóveis de Roma
Eu sou a sereia que dança, a destemida Iara
Água e folha da Amazônia
Eu sou a sombra da voz da matriarca da Roma Negra
Você não me pega, você nem chega a me ver

Reconvexo (Caetano Veloso) – Maria Bethânia

Pra começar, essa música, na voz do Caetano perde metade de sua graça… E olha que nem sou fã da Bethânia, mas sua voz forte e característica imprimem personalidade à letra tão lindamente composta por Caetano. Tenho trabalhado tanto e feito tantas e tantas coisas, como boa mulher moderna que sou, que quase tenho me sentido onipresente e onipotente, podendo fazer tudo ao mesmo tempo e estar em vários lugares simultaneamente.

Ultimamente tenho tido pouco tempo pra fazer coisas que gosto, mas, não me pergunte como, tenho conseguido dar conta de tudo. De chegar do trabalho e brincar com a Pepper, de curtir o Thi, de assistir aos jogos da Copa (como apaixonada por futebol que sou), de ver meus pais, de ir ao cinema e por aí vai. Como tenho dado conta disso, mesmo tendo um trabalho fixo e fazendo uns mil jobs como free-lancer, é um mistério até pra mim, mas, impressionantemente, tenho dado conta de tudo isso.

E sei que, por mais que eu esteja me sentido bem cansada, e querendo umas horinhas extra de sono (ainda mais com esse frio que tem feito em São Paulo), mas sei que isso é apenas o momento e que logo mais as coisas se acalmam e eu vou poder fazer tudo que estou fazendo e ainda por cima, conseguir dormir um pouco mais. =)

A luz de um grande prazer é irremediável neon
Quando o grito do prazer açoitar o ar, reveillon
O luar, estrela do mar
O sol e o dom, quiçá, um dia a fúria
Desse front virá lapidar
O sonho até gerar o som
Como querer caetanear o que há de bom

Sina (Djavan) – Djavan e Caetano Veloso

Sério, eu ouço essa música desde a minha infância, já que meu pai sempre foi fã de Djavan – que eu, do alto do meu 1 ano e meio de idade, chamava de Diabão (hihihihi). Sempre gostei dela, da música em si, mais do que da letra. Aí, na minha adolescência ela veio pra marcar com mais força, quando virou tema do seriado Confissões de Adolescente – do qual eu era totalmente viciada e que comprei o box de DVD na pré-venda (e de tão viciada, mesmo o box dizendo que é do seriado completo, detectei a falta de alguns episódios).

E é tão bom pensar em usar o verbo caetanear (porque a música foi composta numa época em que o Caetano era mesmo louvável) e trazer isso pra vida, né! Além do trecho selecionado, o verbo inicial é tão meu, porque meu pai e minha mãe são definitivamente meu ouro de mina e estão entre as coisas mais preciosas que eu tenho na minha vida.

Sina é uma música que marcou muito a minha vida como um todo e por isso tem hoje seu espaço aqui. :)

Você pensa que eu tenho tudo
E vazio me deixa
Mas Deus não quer que eu fique mudo
E eu te grito esta queixa

Queixa – Caetano Veloso

Nenhum motivo específico. Mas essa música é maravilhosa e hoje acordei com ela na cabeça e ela não saiu por nada. Achei que era um sinal de que ela merecia virar post aqui no Silêncio e Som e voilá. Caetano já fui um puta poeta, né! Pena que tenha virado essa pessoa insuportável e de ego tão inflado… =/

Todo dia o sol levanta
E a gente canta
Ao sol de todo dia

Canto do povo de um lugar – Caetano Veloso

Hoje é um novo dia, e doída ou não a vida segue em frente. Temos que assimilar dores, deixá-las doer no fundo, e ir acostumando com aquele latejamento, até que ele vai cessando e a dor se transforma apenas numa saudade muito forte. Esse é o dia que se descortina, com o qual precisamos nos confrontar e, mesmo com toda a dor que se sente no peito, seguir caminhando.

Ao menos, nos consola saber que há pessoas que gostam da gente e que estão ao nosso lado pra ajudar a superar essas dores tão fundas que surgem no caminho. E, dia após dia, temos de seguir adiante. Sempre…

Quem é ateu e viu milagres como eu
Sabe que os deuses sem Deus
Não cessam de brotar, nem cansam de esperar

Milagres do Povo – Caetano Veloso

Excelente dica, vinda pelo Twitter, através do Inagaki. Acho tão forte esses versos do Caetano, tão contundente, bem naquela pegada de que cada um de nós é um deus vivo e que os milagres do mundo estão só nas nossas mãos. E não precisa ser nada grandioso, digno de plateia, Guinness Book, ou de comprovação do Vaticano. O simples fato de separar o lixo reciclável do comum é você fazendo um pequeno milagre e ajudando o planeta. Doar uma roupa que tá encostada no armário a um morador de rua, é você dando a mão ao próximo. Ceder um pouco do seu tempo para fazer trabalho voluntário, ensinado o que você sabe de melhor a quem precisa, idem… Toda mudança grande tá ao seu alcance, partindo da mudança pequena que só cabe a você e a mais ninguém… Tem uma frase famosa do Gandhi que diz bem isso: “Seja você a mudança que quer ver no mundo”. E é uma baita de uma verdade, dê a partida e faça a sua parte… ;)

Gosta de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior?
E deixe os Portugais morrerem à míngua
“Minha pátria é minha língua”

Língua (Caetano Veloso) – Caetano Veloso e Elza Soares (mas que na voz da Gal fica bem mais legal!)

Acho que não é novidade pra ninguém o quanto eu sou apaixonada pela Língua Portuguesa. Amo muito. Tanto que me emputeço profundamente com os colonizados baba-ovo que gostam de ficar escrevendo e fazendo citações em inglês. Até porque, cá pra nós, o inglês é uma língua tão feia, tão sem glamour, gramaticalmente pobre. Depois do Português vejo também muito charme em todas línguas latinas.

E ufanista que sou da minha língua, desde bem pequena, sempre gostei dessa música que tinha o refrão “gritado” pela Elza Soares. Depois quando eu tinha 15 anos, a Gal gravou e ficou impecável… E eu como sou totalmente “a língua é minha pátria”, achei que já era mais do que hora de ter Língua por aqui. =)

Instagram

Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊 Cajuína - Caetano Veloso (mas eu gosto bem mais na voz da Gal Costa) - é uma música linda, lindíssima, curtinha e maravilhosa, que sempre, sempre, sempre me arranca lágrimas. Caetano a compôs em homenagem ao amigo Torquato Neto, que foi junto com ele um dos fundadores do Tropicalismo, e que se suicidou no começo da década de 70.  #MPB #tropicalismo #caetanoveloso #galcosta #torquatoneto Ê, povo, ê - Gilberto Gil #MPB #GilbertoGil - música que tá tocando em looping na minha semana desde domingo. Código de acesso (Itamar Assunção) - Zélia Duncan #MPB #zéliaduncan #itamarassunção Eu nunca te amei idiota (Alvin L.) - Ana Carolina #MPB #rocknacional #anacarolina Sobre o tempo (John) - Pato Fu #patofu #rocknacional #fernandatakai Dê um rolê (Moraes Moreira) - Novos Baianos #NovosBaianos #MPB Caçamba (Éfson e Odibar) - Molejo #samba #pagode #molejo Viva (Kledir Ramil) – Kleiton e Kledir #MPB #kleitonekledir
Simples Desejo (Daniel Carlomagno e Jair Oliveira) - Luciana Mello #mpb #lucianamello #jairoliveira

Isso é um mantra diário, sempre que algo vem pra azucrinar e tirar a minha paz. 😊